Operação resulta em prisão de suspeita de chefiar esquema fraudulento na prefeitura de Itaúna

  • 3082 visualizações.
  • Publicado em: Notícias
  • Autor: ADPM

Na manhã desta segunda-feira, foram cumpridos mandados de busca e apreensão e recolhidos documentos e objetos. MPMG investiga outros suspeitos.

Foi presa, temporariamente, na manhã desta segunda-feira, 17, por decisão judicial, I.L.R.C., suspeita de comandar uma organização criminosa montada na Chefia de Gabinete da Prefeitura de Itaúna, a 76 km de Belo Horizonte. A prisão foi fruto da Operação Narcisa, deflagrada pela Promotoria de Combate ao Crime Organizado de Itaúna, com o apoio do Grupo de Combate às Organizações Criminosas (GCOC) e da Polícia Militar, e que teve o objetivo de colher provas sobre supostas fraudes em contratos administrativos e desvio de recursos públicos no órgão da administração municipal.

Na ação desta manhã, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em residências dos investigados e em uma empresa utilizada para lavagem de dinheiro. Nos locais, foram recolhidos documentos, computadores, jóias, notas, recibos. A promotoria de Justiça investiga também outros secretários municipais e empresários que podem estar ligados ao esquema criminoso. Uma dessas pessoas, o procurador-geral do município, foi afastado das suas funções por seu suposto envolvimento com a quadrilha, especialmente pelo uso do cargo para prestar serviços ilícitos ao grupo.

De acordo com o promotor de Justiça Fábio Galindo Silvestre, que está à frente da ação, a apontada como chefe do esquema teve sua prisão determinada pela 1ª Vara Criminal da Comarca, uma vez que as investigações prosseguem nos próximos dias, com oitivas de suspeitos e testemunhas, e, em liberdade, "ela já demonstrou disposição em turbar os trabalhos da Justiça criminal". Segundo o representante do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), a prisão temporária de I.L.R.C. é por prazo determinado, durante a investigação, e pode ser revogada, prorrogada, ou convertida em prisão preventiva (por tempo indeterminado), conforme o curso das investigações.

Investigação

O promotor de Justiça afirmou que toda a investigação está fundamentada em sólidos elementos de prova e amparada por ordem judicial devidamente fundamentada. "A corrupção é um mal que corrói as bases do estado, é um tapa na cara do cidadão honesto, e tem uma lógica intrínseca muito perversa, pois priva os mais necessitados, aqueles que mais dependem do Estado, dos serviços básicos essenciais, como saúde, segurança e educação. Isso os torna ainda mais necessitados, para que um pequeno grupo de corruptos e corruptores desfrutem de vida abastada, usando de cargos públicos para benefícios pessoais, fazendo da desgraça coletiva o caminho para a construção de uma riqueza meteórica".

Segundo Galindo, a investigação passará agora para uma fase de análise detalhada de todo o material recolhido, quando então se iniciará a busca da responsabilização criminal dos acusados, com o início do processo penal.

Crimes

Os crimes investigados são de formação quadrilha (art. 288 do Código Penal), corrupção ativa e passiva (arts. 317 e 333 do Código Penal), lavagem de dinheiro (lei n.º 9.613/98) e crimes licitatórios (lei n.º 8.666/93).

Fonte: http://www.mp.mg.gov.br

voltar para notícias